quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Tic-Tac

O tempo, cruel senhor das horas,
não pára e não regressa.
Gira como um carrossel
a nos embalar em seu ritmo leve e sem pressa.
Disse o poeta que 'o tempo só anda de ida',
e cá ficamos nós, eterna mudança e partida.
No tic-tac do relógio passam minutos e segundos,
mudando a cada instante o nosso olhar do mundo.
Passam as pessoas, passa a vida,
passam momentos andando só de ida.
Quem olha muito para os lados
corre o risco de se perder no tempo.
Bem faz quem se preocupa em olhar adiante,
pois momentos passados só interessaram enquanto se vivia o instante.
Só se volta no tempo revivendo memórias
que teimam em guardar fracassos e glórias.
Que seria do ser humano sem a efemeridade do tempo?
Perdido ficaria cheio de descontentamento.
Estacionar o relógio em nada interessa.
De que vale a estagnação para quem tem pressa?
Feliz de quem sabe aproveitar o tempo
sem jamais tentar adiantar-lhe
ou atrasar-lhe os ponteiros.
O tempo caminha na medida justa e certa,
o ritmo das pessoas é que por vezes não se acerta.

4 comentários:

Artes e escritas disse...

Amei o poema que hoje combina comigo. Um abraço, Yayá.

Dan disse...

Olá Morgana
teu espaço é maravilhoso.
Belas poesias.
Lhe seguindo. Me visite, ficarei feliz.

Bela semana. Beijo, Dan.

I'll take everything disse...

Nana, cada vez que leio seus pensamentos me encanto!!!! Autorização para facebookar? kkkkkkkkkkk

Morgana Novais disse...

Sá, você pode tudooooo!!!!! kkkkkkk
Autorizadíssima!!!
Beijoooooo.